caite.info Laws DETALHES SORDIDOS PDF

Detalhes sordidos pdf

Wednesday, December 26, 2018 admin Comments(0)

Detalhes sórdidos - Ebook written by Fernando H. De Marchi. Read this Detalhes sórdidos. Fernando H. Flowing text, Google Generated PDF. Read more. acontecimentos, e sem filtro para os detalhes sórdidos. Preciso avisar que minha história começará inocente. Porém, năo se engane: vai. pela riqueza de detalhes, alguns deliciosamente sórdidos, Tati consegue transcrever a vida e suas peculiaridades com uma veracidade quase.


Author: LEONARDO MCCOLLOUGH
Language: English, Spanish, Indonesian
Country: Taiwan
Genre: Business & Career
Pages: 596
Published (Last): 27.05.2016
ISBN: 539-5-27419-262-4
ePub File Size: 28.58 MB
PDF File Size: 15.24 MB
Distribution: Free* [*Regsitration Required]
Downloads: 34600
Uploaded by: TONY

Detalhes sórdidos by Fernando H. De Marchi is Fiction & Literature Uma vida contada em um livro. Para que estou escrevendo? Caro leitor. 5 abr. Read and Download Ebook Detalhes Sórdidos (Portuguese Edition) PDF Public Ebook Library detalhes sórdidos (Portuguese Edition). Read Online Detalhes Sórdidos (Portuguese Edition) pdf This book untitled Detalhes Sórdidos (Portuguese Edition) to be one of several books which best.

Ela sabia que elas iriam arriscar tudo se pensassem em sair da cidade. Publifolha, , p. Mary used to speak to me about it sometimes […] This sort of talk from Mary always bored me and made me impatient with her, because I knew it all too well. The Bulletin also drew into its pages material and readers from rural and provincial areas. The bush in Australian English.

New York: Frederick Praeger, The history of Australia. Greenwood Press, Sua escolaridade limitada, por exemplo, o leva a moldar seu estilo na linguagem das pessoas com as quais convivia. The uncultured rhymer to his cultured critics. A campfire yarn: Lansdowne Press, a. A fragment of autobiography.

Pursuing literature in Australia. The Penguin Henry Lawson: Penguin, , p. The legend of the nineties. It must be only a matter of seconds, but it seems long minutes; and half an hour afterwards the child might be laughing and playing with you, or stretched out dead.

Twayne Publishers, The Oxford History of Australian Literature. Patrick Morgan observa que [l]ife in the open plains did not suit the intricate and exotic Victorian imagination, which could no longer take shelter in the wooded valleys of the ranges.

Nor had the arcadian ideal worked. Large stations, struggling selectors and the nomadic life of outback workers fitted in with neither. The real problem was neither human villainy as in Kingsley nor natural disasters like flood, fire and drought as in the squatting novels but something more elusive.

People came to Australia and to the bush full of high hopes and excitement, but purpose and meaning quickly drained away. Human life and human society seemed not to have taken root here. Realism and documentary. This proves very difficult in practice. For one thing, there is no separate language, only Australian elements in a predominantly English language. Unless a good deal of Australian vocabulary can be used, the few Australianisms will be as obtrusive as bowyangs worn with an English suit.

Bush Terms. A patch of grey discoloured sand, A fringe of tufty grasses, A lonely pub in mulga scrub Is all the stranger passes. Some popular Australian mistakes. Henry Lawson: Harper Collins Publishers, Kindle edition. Sydney and the bush: Intruders in the bush: Victoria in Brown, Green, and Longman, Water them geraniums. The people of our cities look at the bush proper through the green spectacles of bush bards and new chum press- writers, and are content — wisely, if they knew it — to sit down all their lives on the rim of Australia.

No one who has not been there can realize the awful desolation of Out Back in ordinary season; few even of those who have tramped there can realize it. Grifos nossos. An early meaning of outback: Oxford University Press, v. Collins Cobuild English Language Dictionary. Harper Collins, The bush in Australian English. Australian Journal of Linguistics. Critics, writers, intellectuals: Australian literature and its criticism. Other requirements were simplicity, directness, realism and dramatic force.

The Cambridge history of Australian literature. A history of Australian literature. His girl broke her heart — and mended it again; then he turned up alive, and drier than ever, and married her, and broke her heart for certain.

And — she died. He rested his long arm listlessly on his knee, and absently scraped a cross in the dust, between his feet, with the blade of a pocket knife. A camp-fire yarn: Complete works Lansdowne Press, E — ela morreu. A love story. More than that, the interchange between the narrator and his audience adds extra significance, softening or rounding the tone.

The two-roomed house is built of round timber, slabs, and stringy-bark, and floored with split slabs. A big bark kitchen standing at one end is larger than the house itself, veranda included. Bush all round — bush with no horizon, for the country is flat. No ranges in the distance. The bush consists of stunted, rotten native apple-trees.

Sordidos pdf detalhes

No undergrowth. Nothing to relieve the eye save the darker green of a few she-oaks which are sighing above the narrow, almost waterless creek.

Nineteen miles to the nearest sign of civilization — a shanty on the main road. The drover, an ex-squatter, is away with sheep.

His wife and children are left here alone. Australian short fiction: University of Queensland Press, A mata consiste de macieiras nativas atrofiadas, podres. Sua esposa e filhos ficaram aqui sozinhos. The receding wave: Alligator pulls again. Thud, thud. Alligator gives another pull and he has the snake out — a black brute, five feet long. The head rises to dart about, but the dog has the enemy close to the neck.

He is a big, heavy dog, but quick as a terrier. He shakes the snake as though he felt the original curse in common with mankind. The eldest boy wakes up, seizes his stick, and tries to get out of bed, but his mother forces him back with a grip of iron. Alligator puxa [a cobra] novamente. Bam, bam. Ele sacode a cobra como se pudesse sentir o pecado original em comum com a humanidade. She is used to being left alone. She once lived like this for eighteen months. As a girl she built the usual castles in the air; but all her girlish hopes and aspirations have long been dead.

Certa vez ficou assim por dezoito meses. Presently he [the eldest boy] looks up at her, sees the tears in her eyes, and, throwing his arms round her neck, exclaims: Como Xavier Pons observa: The rise and fall of Henry Lawson. Meanjin, v. Ainda assim, no entender de G. If Lawson has put on record for ever the Australia of the track, the shanty, the shearing-shed and the camp fire, he has done so largely by assuming them as part of the world with which his stories deal.

Out of Eden: Sirius Books, Literature in the eighteen nineties in Australia. A carta de Pero Vaz de Caminha. Porto Alegre: Acesso em 29 abr. Anonio, Ceci, nasce a etnia brasileira. Acesso em 24 abr. Cartas a Cincinato. Medeiros, Martins Fontes, Felizmente estava eu na Tijuca. O senhor conhece esta montanha encantadora. O romantismo. Perspectiva, p. Jackson, , p. Quando tornarei a respirar tuas auras impregnadas de perfumes agrestes, nas quais o homem comunga a seiva dessa natureza possante?

Re-inventing the New World: Cooper and Alencar. Comparative Literature, v. Literatura e sociedade, n. Editora UFMG, IBGE, , p. Revista do Brasil. Acesso em 20 abr. A shorter history of Australia.

Mandarin, All the difference in the world: UFPR, Em se deu a descoberta de uma rota de acesso para o interior, cruzando as Blue Mountains.

The social fabric. The fatal shore: Vintage, , p. Urbane address, faultless syntax, even [ And yet your Australian novelist finds no inconsistency in placing the bookish student, or the city dandy, many degrees above the bushman or the digger, or the pioneer, in vocations which have been the life- work of the latter. Mas 37 WARD, , p.

Such is life. The works of Banjo Paterson. Wordsworth Editions, As the stock are slowly stringing, Clancy rides behind them singing, For the drover's life has pleasures that the townsfolk never know. National Geographic Magazine. Diversos fatores os aproximam: LEE, Christopher.

City bushman: Henry Lawson and the Australian imagination. Curtin, The fantastic invasion: Kipling, Conrad and Lawson. The leary larrikin. Henry never got to see the weirdness that is…: Looking at Lawson from the end of the Twentieth Century. Overland, n. Brasil meridional.

Fischer expressa isso nos seguintes termos: A literatura no Brasil. Editorial Sul Americana, GIL, Fernando Cerisara. Pedro II. A nova narrativa. O Cabeleira. Martin Claret, Um olhar decisivo sobre o Brasil.

Porto Alegre, n, 1, mar. Casa de Rui Barbosa, O negro e o romantismo brasileiro. Atual, This set Cooper and Alencar a paradoxical task: Como e porque sou romancista. Adventure, mystery and romance: University of Chicago Press, Ao menos do orgulho obstinado e inimigo de compromissos, que caracteriza os povos do Norte.

Nenhum homem a possuiria jamais.

PLL 16. Vicious [Cruéis] - Sara Shepard

Alchemical mercury: Stanford University Press, Antonio de Mariz. Dou- te o meu nome. A cultura do romance. Cosac Naif, O eixo e a roda. Um mito sacrificial: Landscape and Dreaming. Daedalus, v. Estudos Anglo-Americanos. No prelo. On its blankness, he could inscribe what could not be read in spaces already colonized and subject to the laws and penal imagery of England.

No caminho sofre uma queda do cavalo e quebra a perna. Acesso em 21 abr. A hero in Dingo Scrubs. A fantasy of man: Lansdowne Press, b. Being Australian: The Australian legend. High culture, popular culture: Saw selectors slaving their lives away in dusty holes amongst the barren ridges; saw one or two carried home, in the end, on a sheet of bark; the old men worked till they died. Saw elder sons stoop-shouldered old men at Settling on the land. The radical tradition: Lawson, Furphy, Stead.

Foundation for Australian Literary Studies, Por exemplo, uma mesma cena — a do falecimento do trabalhador infantil Arvie Aspinall — aparece como um mote que ora introduz, ora conclui os quatro contos em que o personagem aparece citado, publicados no Bulletin e no Worker, de abril de a outubro de Henry Lawson criticism: The Penguin Henry Lawson short stories.

Penguin, There are many times in this world when a healthy boy is happy. When his father buys him a gun, and he starts out after kangaroos or possums. When he gets a horse, saddle, and bridle, of his own. Make the most of your courting days, you young chaps, for they will never come again. A man thinks a lot in a flash sometimes; […] I looked ahead: It seemed brutal to me.

Me parecia brutal. He puffed at his pipe for a long time, then I thought he spoke. My father used to say a lot to me before I was married. I got thinking of the days when I was courting Mrs. O pai retruca: Eu tinha me esquecido por completo de propor. Meu pai me aconselhou bastante antes de eu me casar. You never has time to know Jim at home. I had known in my heart all along that this was the truth; but it came to me like a blow from Jim.

You see, it had been a hard struggle for the last year or so; and when I was home for a day or two I was generally too busy, or too tired and worried, or full of schemes for the future, to take much notice of Jim.

Mary used to speak to me about it sometimes […] This sort of talk from Mary always bored me and made me impatient with her, because I knew it all too well. I never worried for myself — only for Mary and the children. It all passed before me as I followed on in the wagon, behind Mary in the spring- cart. I thought of these old things more than I thought of her.

She had tried to help me to better things. And I tried too — I had the energy of half-a-dozen men when I saw a road clear before me, but shied at the first check. Then I brooded, or dreamed of making a home — that one might call a home — for Mary — some day. Ah, well! She had a clean cloth, and set the table tidily. I noticed that all the tins were polished bright old coffee- and mustard-tins and the like, that they used instead of sugar-basins and tea-caddies and salt-cellars , and the kitchen was kept as clean as possible.

She was all right at little things. Eu pensava no passado mais do que eu pensava nela. Ela tinha tentado me ajudar a melhorar. A excentricidade de Mrs. Ela se preocupava com os detalhes. Durante esse percurso marido e mulher trocam poucas palavras: I suppose we both began to feel pretty dismal as the shadows lengthened. Spicer, figura central da segunda parte do conto. Joe percebe em Mrs. I git the dismals afterwards. What on earth do you mean?

Mary thought her a little mad at times. But I seemed to understand. Spicer, when your husband goes away? I remember, when we lived on the Cudgeegong river — we lived in a brick house then — the first time Spicer had to go away from home I nearly fretted my eyes out. I muster bin a fool; but then we were only jist married a little while.

Besides — besides, Spicer was a very different man then to what he is now. Eu fico triste depois. O que a senhora quer dizer com isso? Mas eu entendia. Joe, no entanto, atribui uma certa sabedoria instintiva a Mrs. It must be the heat and the dullness. She said nothing for a long time, and seemed to be thinking in a puzzled way.

Spicer pelo roubo de um cavalo. Tais quais Mrs. Brighten e Mrs. I think, taking it all round, I used to be happier when I was mostly hard-up — and more generous.

But then, the farther I got away from poverty the greater the fear I had of it — and, besides, there was always before us all the thought of the terrible drought, with blazing runs as bare and dusty as the road, and dead stock rotting every yard, all along the barren creeks.

Henry Lawson in England. Quadrant, August, When we were alone Mary climbed into the buggy to try the seat, and made me get up alongside her. MOORE, , p. Grifos do autor. Vale quanto pesa: Paz e Terra, Momentos do livro no Brasil. Acesso em 16 nov. EdUERJ, Letras, v. MEYER, p. NADAF, p. Melhoramentos, Rubens olhou para elas, cansado. Emily mordeu sua unha.

Ela pensou sobre a pergunta do advogado. Em seguida, elas tinham ligado para o Mas foi isso o que aconteceu: Era a voz de Ali novamente. Emily piscou forte. Emily se endireitou. Ela esteve na Reserva durante anos. Emily fez uma careta, querendo que a voz de Ali sumisse.

O advogado suspirou. Rubens estalou a caneta. Todas se viraram para olhar para Emily. Ela olhou para a mesa. Mas isso foi porque Ali tinha quase afogado Emily na piscina de Rosewood Day Isso simplesmente Quando Rubens abriu a pasta, Emily viu as palavras me amarraram.

PLL Vicious [Cruéis] - Sara Shepard - Free Download PDF

Emily deve ter gemido, porque Spencer olhou para ela com os olhos arregalados. As bochechas de Emily coraram. Ela tinha que ter cuidado. Ela apontou para a manchete. Maxwell Conta ao Jornal Todas as Mentiras, ela dizia. Seu amor e Lealdade Param por Aqui.

Rubens deu de ombros. O advogado fechou a pasta com um tapa. Todas olharam para o advogado, assustadas. Rubens bateu sua caneta contra a mesa. Eu posso tentar e oferecer algumas teorias de outras pessoas que poderiam ter matado Alison.

Emily olhou para as outras. Rubens suspirou. Emily se encolheu. De repente, ela olhou para Emily com alarme. Emily olhou para baixo. Mas parecia estranho agora. O elevador apitou, e as portas se abriram. Emily podia sentir as outras pessoas no elevador encarando. Ela se virou e olhou para a menina.

As bochechas da menina avermelharam. Spencer olhou para Emily. Emily fechou os olhos. Ali — a verdadeira Ali — poderia estar em qualquer lugar. Esperando para atacar. Ela virou-se para suas amigas. Os olhos de Spencer se arregalaram.

' It's the Least Painful Way to Die' – Reiser's Confession

Mas Hanna assentiu. Emily pegou o telefone novamente. O artigo de Nick ainda estava na tela. Talvez ele nos ajude. Spencer bufou. Emily olhou para Spencer. Ele poderia fazer todos os tipos de coisas acontecerem. A boca de Emily caiu aberta. O queixo de Spencer vacilou. Emily sentiu aquele mesmo peso pressionando em seu peito mais uma vez.

Talvez Spencer estivesse certa. Mas a rua estava vazia. Ela estava cansada de tentar procurar Ali. Pelo que Spencer sabia, ela estava prestes a enfrentar seu destino: Ela aprendeu a nunca nadar antes das Ela imediatamente ligou e marcou uma consulta. Seu celular tocou, assustando-a. Ela olhou para a tela. Hastings seriamente. Spencer engoliu em seco, todos os pensamentos de Emily desaparecendo.

Hastings parecia entusiasmado. Spencer contornou o lixo verde de reciclagem. Hastings disse. Eu posso te encontrar no Smith and Wollensky. Spencer parou e olhou em volta. Ela tinha esquecido que estava perto do lugar onde seu pai estava, na Rittenhouse Square. Foi mal! Havia uma bandeira americana pendurada no telhado e um enorme vaso de flores na varanda. Spencer subiu os degraus e olhou para o nome na caixa de correio.

Era aqui mesmo. Ela tocou a campainha e esperou. O vento? De jeito nenhum. Spencer olhou para ela. A mulher olhou de volta. Ela era a mulher da capa do livro, tudo certo. Spencer se desviou para uma poltrona no canto. Eu realmente gostei do seu livro. Angela sorriu.

Spencer se inclinou, puxou o laptop de sua bolsa e abriu-o no colo. Angela acendeu um cigarro Newport Light em uma piteira longa e de ouro. Todo mundo diz isso. A boca de Spencer estava seca. Como os programas da faculdade? Iniciativas de trabalho e estudo? Angela bufou. Angela se inclinou para frente com o cigarro em chamas.

Eu sugiro que use o resto para falar sobre as gangues de meninas. Um canto da boca de Angela curvou em um sorriso. Qual era o ponto? Mas tornar melhor? Um arrepio percorreu a espinha de Spencer. Angela tirou outro cigarro da embalagem. Spencer de repente queria muito saber. Pare de me olhar assim. Foi por fraude, ok? Eu arranjava uma nova vida para elas.

Angela revirou os olhos. Eu tive que levar a culpa pelas outras pessoas que ajudei, mas as pessoas foram muito longe. Angela assentiu. Os olhos de Angela se estreitaram. Ela iria ter saudades deles. E ela iria sentir falta de Melissa, que se aproximou mais dela ultimamente — Melissa tinha estado muito revoltada com Spencer sendo acusada injustamente, embora ela tinha ficado longe de falar explicitamente sobre Ali para a imprensa.

Mas o que ela tinha para continuar aqui? Nenhum futuro na faculdade. Ela olhou para cima e olhou nos olhos de Angela. Angela apagou o segundo cigarro. Angela riu. O queixo de Spencer caiu.

Ela se levantou da cadeira. Eu acho que deveria ir embora. Em segundos, Spencer estava na varanda de novo. Vivendo sossegadamente. Fazendo alguns conhecidos, alguns amigos. Em seguida, indo para a faculdade como outra pessoa. Ainda bem sucedida. Ainda sendo Spencer Hastings, apenas com um nome diferente. Ela pegou o celular e olhou para ele, de repente deprimida. Angela estava certa: O celular tocou duas vezes antes de Emily atender. Vamos ver Nick. Ela olhou em volta, observando os campos largos e celeiros vermelhos.

Por um breve segundo, ela pensou em dizer a Mike o que elas iriam fazer. Mike imaginava-se como o cavaleiro de Hanna de armadura brilhante. Houve uma pausa antes de Mike mandar uma mensagem de volta, claro.

Hanna ergueu as sobrancelhas. Essa dizia: Seu cabelo parecia realmente bom. Hanna deixou cair o celular em seu colo.

Nem mesmo Marcella, a nova agente de Hanna. Ela achou que poderia ser o seu futuro. Mas agora Hanna pressionou o acelerador, olhando para Emily no espelho retrovisor. Sua antiga amiga parecia mais magra, e seus olhos saltavam de seu rosto.

E ultimamente, Em parecia estar mais ou menos Hanna se perguntou se ela tinha dormido na noite passada. Hanna provavelmente havia repassado seu batom seis vezes, algo que ela sempre fazia quando estava chateada. Alguma delas estava pronta para conversar com Nick? O ar cheirava a carne podre. De algum lugar no interior das muralhas veio um grito masculino profundo que soou como um cruzamento entre um rugido e um gemido. Todo mundo se levantou. O guarda fez sinal para elas o seguirem, e logo elas estavam em uma sala longa e estreita.

A luz fluorescente tremulava no alto. Uma porta da parede mais distante se abriu. Seus olhos se estreitaram. Sua boca se uniu em uma linha reta com raiva. Nick olhou para elas novamente. O peito dele arfava para cima e para baixo como se ele tivesse corrido muito.

Finalmente, ele baixou os ombros e caiu no assento da mesa das meninas. A pele sob suas unhas estava imunda. Os olhos de Nick saltaram. Hanna apertou seu punho. Aria mudou seu peso. Era parte do nosso plano. Aria bufou. Eu amo ela. Ela me amava. Emily se inclinou para a frente. Ela me disse assim que tentou me afogar. Ela disse que eu era a pessoa que ela sempre amou. Nick olhou para Emily, desconfiado. Ele iria ceder. Ela podia sentir isso. Spencer mudou seu peso. Por favor.

Nick bufou. Ele desviou o olhar. Spencer olhou para Hanna. Nick deu de ombros. Nick inspirou como se estivesse prestes a falar. Em seguida, uma sombra pairou sobre eles. O guarda deu um tapa no ombro de Nick. Nick olhou para elas. Foi um bom dia, apesar de tudo. Todas olharam umas para as outras. Nick acenou alegremente. Alguns momentos depois, elas estavam de volta no estacionamento. Hanna suspirou profundamente.

Fico feliz que tenhamos vindo. E deu certo. Aria inspirou. Spencer parou ao lado de uma caminhonete. O que estamos proibidas, lembram? Ela sabia que elas iriam arriscar tudo se pensassem em sair da cidade. Ou pode ter uma pista que nos leve para onde ela possa ter ido.

Pdf detalhes sordidos

Devemos ir. Todas se viraram para Spencer, que parecia em conflito. O estacionamento estava vazio, todos os carros alinhados em fileiras. O vento mudou de novo, e seu olhar se desviou para cima. Hanna sabia que elas estavam pensando a mesma coisa. Ela respirou profundamente, inalando o cheiro matinal ligeiramente doce e ligeiramente salgado do seu namorado Noel Kahn.

Eu poderia me acostumar com isso, ela pensou rapidamente, com os olhos fechados. Porque em breve tudo iria mudar. Ela sentou-se em linha reta, a realidade sussurrando de volta. Ela voltou com Noel recentemente, e agora tudo isso lhe seria tirado.

Ele fala em seu sono sobre as jogadas do lacrosse. Noel abriu um olho. Aria se afastou. Sim, certo. Aria pensou sobre a fantasia que revirou em sua mente mil vezes: Aria se esticou. Vender algumas obras, nos estabelecer em grande estilo. Aria deu um soco de brincadeira. Noel parecia que ia dizer algo provocando-a de volta quando o alarme de Aria soou.

De repente, uma outra realidade correu para a sua mente. Ela disse a Spencer que ela estaria esperando do lado de fora em uma hora e meia. Ela pulou da cama. Noel observou como Aria andava ao redor, abrindo seu guarda-roupa, procurando seus chinelos.

Vou sair com as meninas. Noel recuou, depois franziu a testa. Ela disse isso muito rapidamente, muito duramente. Na mesma hora, Aria sabia que ele sabia o que ela estava fazendo. Noel estava irritado com tudo que Aria disse a ele. Ele acreditava que Ali tinha armado para elas e ainda estava viva.

Mas ambos sabiam como ela era ardilosa. Ela encolheu os ombros. Noel parecia preocupado. Aria sentiu uma velha pontada irritante. Apenas ajudar. Noel tinha guardado muitos segredos de Ali Ela tentou afastar esses pensamentos de sua mente.

Noel ainda parecia em conflito. Me mande uma mensagem esta tarde. Aria beijou a ponta de seu nariz. Mas esse era o problema. A menos que elas encontrassem o que estavam procurando.

Um enorme cartaz que dizia: Pai DiLaurentis Faz um Pronunciamento. Aria relaxou um pouco. Em seguida, ela voltou para assistir a TV. Ela procurou o artigo. Em seguida, ela notou algo interessante. Emily zombou. Spencer fez uma careta. Ela dobrou o jornal, jogou-o no lixo, e correu para acompanhar suas amigas.

O ar cheirava a protetor solar e cones de waffle caseiros. Hanna olhou em volta, pensativa. Emily fungou amargamente. Talvez depressa demais. Aria a observou cuidadosamente. Mas cada vez que Aria perguntava o que estava errado, Emily desconversava. Eu me queimei, e foi uma droga. Hanna franziu a testa. As outras a seguiram. Nenhuma resposta. Ela desapareceu rapidamente ao redor, e de repente gritou: Emily levantou uma janela lateral o suficiente para ela passar.

Emily bufou e se impulsionou para cima do parapeito. Ela escorregou para dentro, sem esperar por uma resposta. Poucos segundos depois, a porta da frente abriu, e Emily estava do outro lado. Todo mundo correu para dentro. A casa estava escura e cheirava a areia. Aria esperou que seus olhos se ajustassem.

A sala estava vazia, as paredes com papel de parede com estampa de mar e cavalos estavam desbotadas. Emily entrou na cozinha. Aria viu quando ela abriu a geladeira e olhou para dentro.

Estava vazia, completamente limpa. Em cada um, ela encontrou uma cama de solteiro bem feita e um pouco mais. Ou talvez um fantasma. Algo rangeu, talvez a partir de dentro. De repente, arrepios levantaram-se em sua pele. Ela abriu os olhos. Suspirando, ela voltou para a sala de estar. Spencer e Hanna estavam esperando, procurando igualmente apavoradas. Todo mundo correu.

O nariz de Aria se contraiu. Ela olhou para as outras. Os olhos de Emily estavam arregalados. Spencer olhou de volta para a casa vazia. Emily olhou para elas. Emily virou-se para Aria. Aria olhou para baixo. Emily bateu no batente da porta. Emily se afastou, deixando escapar um som agudo de dor. Todas trocaram olhares nervosos. Emily encostou em Aria pesadamente.

Hanna se juntou ao grupo, apertando os ombros de Emily. Emily olhou para elas e tentou sorrir, mas depois seu rosto enrugou novamente. Quando elas se separaram, todas enxugaram os olhos.

Aria se sentia vazia. Elas tinham pouco para viver daqui para frente. Hanna cutucou Emily. Comer sorvete. Aria pensou por um momento, depois assentiu.

Elas poderiam muito bem aproveitar. Elas tomaram seus lugares na fila. Ela voltaria para aquele dia em um piscar de olhos — qualquer coisa era melhor do que o que estava por vir. Aria e Spencer estavam amontoadas em outra cama de casal, respirando suavemente. Parecia que a tempestade estava se aproximando mais cedo do que o previsto. Mas era? Realmente era? Mas Emily mal tinha provado algo disso. Ela sentia-se assentir, sentia-se tentar sorrir.

Talvez ela nunca sentisse gostos novamente. Talvez ela nunca sentisse novamente. Isso mesmo, Ali concordou. Emily pensou novamente no cheiro de baunilha. Ali estava naquela casa, ela sabia disso. Passeasse pela praia, relaxasse na areia, desse um mergulho. Mas havia outro caminho. Outro caminho pelo qual Emily poderia se atrever a caminhar.

Eu deveria? Fez uma pausa para ouvir o vento que uivava violentamente, sacudindo as janelas, rangendo as paredes. Hanna se virou. Spencer chutou em seu sono. Emily sentiu uma pontada de culpa. Em seguida, ela saiu pela porta, sem se preocupar em pegar uma chave.

Com alguma sorte, ela teria sumido antes de suas amigas acordarem. O corredor cheirava a cerveja. Uma rajada de vento bateu do seu lado, pressionando-a contra a grade. Elas quebravam com raiva, causticamente, com tanto poder que elas iriam com certeza rasgar tudo o que tinha em seu caminho. Um riso? Aquilo era uma garota agachada nas dunas, observando? Ali poderia estar aqui? Ela fechou os olhos e imaginou o que Ali faria se visse ela agora. Talvez ela respeitasse Emily pelo que ela estava prestes a fazer.

Ela queria estar com ela. Ali tinha olhado e sorrido para Emily. Uma onda a pegou e empurrou-a para baixo. Quando ela caminhou de volta para a toalha, Ali estava olhando para ela novamente, embora desta vez ela parecia um pouco intimidada.

A pergunta tinha pegado Emily de surpresa. Era a verdade. Mal ela sabia que Ali iria tirar tudo dela. As ondas quebraram, levantando espuma branca. E com isso, ela caminhou pela praia para o mar. Spencer se sentou na cama. O quarto ainda estava escuro, embora no exterior o vento uivasse ferozmente. Depois que ela deu descarga, ela estava ao lado da cama de novo, sentindo que algo estava errado. Spencer girou ao redor do quarto, respirando pesadamente.

Spencer, Aria e Hanna dizia com a escrita de Emily. Eu sinto muito. Aria se virou, sonolenta. Ficar aqui explicando levaria muito tempo.

As ruas estavam vazias. Era evidente que uma tempestade estava se aproximando; a maioria das pessoas provavelmente tinha ido embora. Quando ela viu a roupa de Emily em uma pilha desordenada perto da escada, ela soltou um grito embargado e abafado.

Spencer se virou. Uma onda bateu em cima dela, e ela desapareceu. De jeito algum ela iria deixar o oceano engolir Emily. Isso era culpa dela: Ela deveria saber que Emily iria fazer algo parecido com isto. Todas elas deveriam. Spencer olhou por cima do ombro para Hanna e Aria na costa. Hanna estava gritando algo em seu celular. Ela olhou para o horizonte novamente. Outra onda arrastou-a para baixo. Ela se debateu e tateou, mas a correnteza era muito forte.

Oh meu Deus, ela pensou. Eu realmente posso morrer. Emily iria conseguir sair daqui? As outras estavam certas: Ela tinha que voltar. A correnteza a tinha puxado muito para dentro do mar. A mente de Spencer dispersou. Ela tentou de novo — sem sorte. Era uma menina com a pele brancaleitosa e o cabelo loiro-manteiga.

Ela estava aqui, de alguma forma. Talvez ela tenha causado esta tempestade. Em seguida, uma silhueta apareceu. Spencer olhou para si mesma enquanto tudo voltava para ela. Estava completamente seco e duro por causa do sal. Ela ouviu um som tilintando e olhou para ele. Ela estava algemada na cama. A mente de Spencer pareceu nublada. Ela olhou para o pai, que estava olhando para ela com curiosidade.

Ela disse que queria visitar Nick para conseguir superar, mas o pai dela era muito inteligente para acreditar nisso. Um olhar estranho tomou conta do rosto do Sr. Ele estava prestes a dizer algo, mas, em seguida, o telefone tocou. Ele olhou para a tela. Spencer olhou para a oficial. A policial olhou para o walkie-talkie em seu cinto. Ela sentou-se na cama da melhor forma que as algemas permitiam.

A oficial incisivamente virou seu olhar para longe. Spencer sentiu-se selvagem. De repente, a porta se abriu. A policial virou-se, parecendo aliviada. Eu vou falar com ela. Quando ele sorriu, era um sorriso que Spencer conhecia muito bem. O queixo dela se abriu. Seus olhos sondaram-no de cima a baixo. Wren, o mesmo Wren que ela tinha roubado de Melissa.

O mesmo Wren que tinha sido o primeiro garoto que ela tinha dormido, talvez o primeiro garoto que ela tinha amado. Nada disso parecia real. Mas, de repente, nada disso parecia pertinente.

Havia algo que ela realmente, realmente precisava saber que superava todo o resto. Ela respirou fundo e olhou nos olhos de Wren.

Senhorita Marin! Mas agora, ela preferia ter que atravessar aquela coisa completamente nua do que enfrentar o que ela estava prestes a enfrentar.

A senhorita Marin virou o carro para o outro lado do estacionamento. Hanna olhou em volta. O lobby estava repleto de pessoas e cheirava a jornais velhos, incenso e perfume. Seu olhar se desviou para uma grande placa que havia nas portas duplas para a igreja. Emily parecia muito mais jovem nela, suas sardas evidentes, seu sorriso largo e os olhos brilhando. Essa foto tinha sido tirada antes de A.

Antes de Ali voltar. Ela estava no funeral de Emily. Era irreal. Havia se passado um dia desde que Emily tinha desaparecido no oceano. O problema era, no entanto, que Hanna sabia. O quanto de peso ela tinha perdido? Conversado mais com Em. Como Em pode ter O lugar estava lotado, e todo mundo olhou para ela enquanto ela caminhava pelo corredor.

Havia tantas pessoas aqui que Hanna conhecia, mas quantos deles estavam aqui porque sentiam falta de Emily? Por acaso ele estava realmente sofrendo? Ambas suas antigas amigas olharam para ela de modo vazio.

Aria assentiu levemente. Hanna engoliu em seco. Cada um deles estava vestido de preto, e cada um parecia um zumbi. A Sra. Fields subiu ao altar primeiro e limpou a garganta. Emily estava animada para ir para a faculdade? E realmente quais eram as chances de ela ir depois do julgamento? Fields tossiu. Sua comunidade na igreja. Hanna torceu a boca. Amigos da Igreja? E ela, Spencer e Aria — as melhores amigas de Emily? Hanna olhou para as outras. Os olhos de Aria suavizaram.

Spencer olhou para ambas desesperadamente. Hanna olhou para Spencer loucamente. Hanna mudou o peso. Ela percebeu, de repente, que as pessoas estavam olhando para elas. Abruptamente, Spencer levantou do seu assento e fez sinal para as outras a seguirem. Aria olhou para Spencer. Spencer olhou para a igreja novamente. Ela admitiu que nem sequer nos queria aqui. Disse que era inadequado. Seu cabelo estava moldado em uma forma esquisita. Seus ombros estavam perfeitamente posicionados. Pensando bem, a Sra.

Fields nos conhece — Aria grunhiu. Spencer zombou. Fields basicamente acha que causamos a morte de Em. Sabe de uma coisa? Talvez a Sra. Fields esteja certa. Talvez a gente tenha causado a morte de Emily. Spencer recuou. Hanna olhou para ela. Talvez de todo mundo. E talvez ela esteja certa. Dois pontos brilhantes apareceram nas bochechas de Spencer, ainda mais evidentes sob as luzes fortes e fluorescentes do corredor. Vamos nos divertir!

Os olhos de Spencer se estreitaram. Os ombros de Hanna ficaram tensos. Hanna cerrou os punhos. Eu estava cansada. A boca de Aria fez um O. Ela exagerou, e Hanna sabia disso. A boca de Hanna caiu aberta. Spencer empurrou a porta pesada para abri-la.

Os olhos de Spencer brilharam. Ela se mexeu desconfortavelmente. O que diabos tinha acontecido? Para o seu horror, algumas pessoas da igreja estavam olhando para fora da porta, diretamente para ela, como se tivessem ouvido cada palavra.

Hanna se virou e caminhou para o lado oposto ao fundo do corredor, longe da porta que Spencer e Aria passaram. Depois de um tempo, ela ouviu passos. Mike estava sobre ela. Hanna olhou para ele. O que aconteceu? Tudo o que ela queria era pegar Spencer e tentar falar alguma coisa com sentido para ela.

Aquela briga Spencer olhou para Aria por cima do ombro, em seguida, pegou o ritmo. Aria sentiu como se o vento tivesse nocauteado ela. Aria engasgou. Spencer riu sarcasticamente. Mas Spence Spencer a cortou. Aria sabia que era melhor segui-la, mas ela sentia-se magoada e confusa. Ela olhou para a igreja novamente. Mas o que ela realmente queria, ela percebeu, era dirigir para algum lugar.

Se afastar deste lugar, desta perda. Tudo em Rosewood a lembrava de Ali, na verdade — ela estava em toda parte. E essa briga, seus problemas umas com as outras — parecia ser mais um dos planos mestre de Ali. Em vez de se unirem contra Ali, elas se viraram umas contra as outras, ficando fracas, com raiva, perdendo tudo. Isso era o que Ali queria, certo? Que elas perdessem tudo? A tornozeleira. Ela havia esquecido completamente. Eles saberiam onde ela estaria em todos os momentos, e ouviriam todas as conversas que ela teria.

Viajar a definia. Ela era apenas uma menina esperando ir para a cadeia. Ela pensou no que ela disse a Noel na cama no outro dia. Eu queria que eu pudesse apenas fugir. Uma pequena muda de uma ideia instalou-se em sua mente. Ela poderia? Aria se virou. Ela nem sabia com certeza se ele viria. Aria baixou os ombros. Eles nos odeiam. Todo mundo nos odeia. Noel bateu em suas costas. A testa de Noel franziu. Diga a eles que eu vou ficar bem.